As sequelas da covid são variáveis e

podem durar semanas ou meses

Drauzio Varella

Nunca vi epidemia de um vírus esquisito como esse. A variedade de quadros clínicos é enorme.

Cerca de 40% dos infectados permanecem assintomáticos; outros 40% desenvolvem sintomas leves semelhantes aos das viroses respiratórias corriqueiras, ou aos das gripes fortes que nos jogam na cama. Em ambos os casos, regridem espontaneamente em duas ou três semanas.

O perigo corre por conta dos outros 20%, que exigirão internação hospitalar e até ventilação mecânica em unidades de terapia intensiva. Nessas eventualidades, a fase de recuperação passa de um mês.

Começamos a aprender, no entanto, que mesmo naqueles com poucos sintomas e evolução benigna, a doença pode causar complicações tardias que se arrastam por semanas.

Um estudo publicado no “Morbidity Mortality Weekly Report”, dos Estados Unidos, mostrou que 14 a 21 dias depois do diagnóstico de covid, 35% dos pacientes se queixavam de não ter voltado às condições de saúde de antes.

No Reino Unido, o UK COVID Symptom Study revelou que 10% relataram sintomatologia persistente por mais de três semanas. Os resultados foram publicados no “British Medical Journal”.

A simples possibilidade de ser infectado provoca ansiedade, depressão, estresse, solidão, isolamento social, insônia, quebra da rotina diária, estresse pós-traumático.

Os três sintomas mais comuns, nesses casos, foram tosse seca, febre baixa e fadiga, que evoluíram com períodos de remissão e de reagudização, durante semanas ou meses.

Fôlego curto, dores no tórax, cefaleia, dificuldades neurocognitivas, dores musculares, fraqueza, alterações gastrointestinais, lesões dermatológicas, dificuldade para controlar diabetes, tromboses, embolias pulmonares, depressão, ansiedade e outros transtornos psiquiátricos, tiveram frequência variável.

Sintoma comum na fase aguda, a sensação de fôlego curto pode durar mais de duas semanas. A recomendação é controlar a oxigenação do sangue com os oxímetros, dispositivos simples de usar à venda em farmácias e disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde. Colocado na ponta do dedo, o oxímetro mede a saturação de oxigênio na corrente sanguínea. Valores de 95% ou mais, são considerados adequados; abaixo desse número, há necessidade de avaliação médica e suplementação de oxigênio.

Manifestações cardiopulmonares estão presentes em pelo menos 20% dos pacientes hospitalizados. As mais comuns costumam ser miocardites, pericardites, infartos do miocárdio, embolias pulmonares, insuficiência cardíaca e arritmias. São mais prevalentes, quando existe doença cardiopulmonar prévia.

O vírus pode induzir um estado de hipercoagulabilidade sanguínea causadora de tromboses, embolias pulmonares e AVCs isquêmicos.

Sequelas neurológicas são mais raras. Entre elas, tonturas, fadiga, convulsões, neuropatias e a sensação descrita como “lentidão de raciocínio”.

A simples possibilidade de ser infectado provoca ansiedade, depressão, estresse, solidão, isolamento social, insônia, quebra da rotina diária, estresse pós-traumático. Nas pessoas que ficaram doentes, esses transtornos se tornam mais evidentes e duradouros.

Definitivamente, a covid-19 não é uma gripezinha.

 

Cesar Jumana

 

Retornar